Padre Geraldo de Souza Rodrigues toma posse como pároco na Paróquia Nossa Senhora do Rosário de Fátima, em Viçosa

No último sábado, dia 5 de fevereiro, o padre Geraldo de Souza Rodrigues tomou posse como 6º pároco da Paróquia Nossa Senhora do Rosário de Fátima, em Viçosa (MG).

A celebração, marcada pela alegria e gratidão a Deus, foi presidida pelo Monsenhor Danival Milagres Coelho, representante dos Presbíteros da Arquidiocese de Mariana. Estiveram presentes também na Santa Missa os padres Paulo Vicente Ribeiro Nobre, José Afonso de Lemos e o padre José de Souza Sena, irmão do padre Geraldo, além do diácono Délio Duarte.

A missa contou também com a participação das lideranças da Paróquia que apresentaram, por meio de cartazes, os trabalhos pastorais desenvolvidos pelas dimensões, ministérios, pastorais, movimentos e grupos.

O Diácono Délio Duarte fez, em nome da comunidade, uma breve saudação ao Padre Geraldo, momento que apresentou também um resumo da história da Paróquia, lembrando que no ano de 2025 ela celebra seus 50 anos de criação.

Agradecimentos

Padre Geraldo mencionou a mensagem recebida de Dom Lauro Sérgio Versiani Barbosa, novo Bispo de Colatina (ES), por ocasião de sua posse como Pároco e disse que a casa paroquial, bem como todo a comunidade, está sempre à sua disposição e que será uma alegria acolhê-lo.

Ainda, ele agradeceu ao Padre Paulo Nobre, até a presente data Administrador Paroquial, pelo modo como conduziu a Paróquia neste momento de transição, lembrando aos presentes que ele continua atuando, mas agora como Vigário Paroquial.

Em seguida disse estar muito feliz por partilhar a caminhada com a comunidade paroquial de Nossa Senhora do Rosário de Fátima e agradeceu pelo carinho e acolhida que vem recebendo de todas as pessoas desde o dia em que chegou.

Ao final, diante da imagem da padroeira Nossa Senhora do Rosário de Fátima, padre Geraldo convidou a todos para rezarem juntos a oração da Ave Maria, momento em que pediu a intercessão da Virgem mãe de Cristo pela missão de Dom Lauro. Ele também aproveitou o momento para agradecer  o Arcebispo Metropolitano de Mariana, Dom Airton José dos Santos, através do Monsenhor Danival, pela confiança depositada nele para pastorear esta comunidade.

Após ordenação episcopal, Dom Lauro se prepara para posse canônica em Colatina

Após ordenação episcopal, realizada no último dia 25 de janeiro, Dom Lauro Sérgio Versiani Barbosa tomará posse como o quarto bispo da Diocese de Colatina (ES) na próxima quarta-feira, 02 de fevereiro. A celebração será realizada na Catedral do Sagrado Coração de Jesus, às 10h, em Colatina.

Devido às restrições de segurança da pandemia, a santa missa será restrita a convidados, mas para que todos os fiéis possam acompanhar, será realizada a transmissão ao vivo pela página do Facebook da Arquidiocese de Mariana (link), e também, pelas redes sociais da Paróquia de Nossa Senhora do Rosário de Fátima, da Diocese Colatina e pela TV Sim Colatina.

Ordenação

Natural de Ouro Preto (MG), Dom Lauro foi ordenado bispo no último dia 25 de janeiro, na Igreja Matriz Nossa Senhora do Rosário de Fátima, em Viçosa (MG), última paróquia em que ele atuou como pároco antes da ordenação.

A celebração teve como bispo ordenante principal, o Arcebispo Metropolitano de Mariana, Dom Airton José dos Santos, e como prelados consagrantes o Arcebispo Emérito de Mariana, Dom Geraldo Lyrio Rocha, e o Arcebispo Metropolitano de Vitória, Dom Frei Dario Campos, OFM. Além disso, estiveram presentes outros colegas do Episcopado, padres, diáconos, seminaristas e leigos da paróquia.

Mais um Pastor para a Igreja: Dom Lauro é o mais novo bispo do Brasil

Alegria, gratidão e emoção marcaram a ordenação episcopal de Dom Lauro Sérgio Versiani Barbosa, Bispo da Diocese de Colatina (ES), nesta terça-feira, 25 de janeiro, festa litúrgica da Conversão de São Paulo. A celebração foi realizada na Igreja Matriz de Nossa Senhora do Rosário de Fátima, em Viçosa (MG), onde o novo bispo atuou por sete anos como pároco.

A celebração foi presidida pelo Arcebispo Metropolitano de Mariana, Dom Airton José dos Santos, que foi o ordenante principal. Ainda, estiveram presentes e foram os prelados consagrantes o Arcebispo Emérito de Mariana, Dom Geraldo Lyrio Rocha, e o Arcebispo Metropolitano de Vitória, Dom Frei Dario Campos, OFM.

Dom Lauro com os colegas do episcopado

Após o início do rito de ordenação, em sua homilia, Dom Airton pontuou que não é sempre que um bispo tem a honra de ser ordenado por três arcebispos como Dom Lauro e agradeceu a presença dos Bispos Filhos de Mariana: o Bispo da Diocese de São João Del-Rei (MG), Dom José Eudes Campos do Nascimento, o Bispo Auxiliar da Arquidiocese de Belo Horizonte (MG), Dom Geovane Luís da Silva, e o Bispo Auxiliar da Arquidiocese de São Salvador (BA), Dom Valter Magno de Carvalho.

Refletindo sobre a liturgia do dia, o Arcebispo Metropolitano de Mariana disse que “o apóstolo de Cristo escolhido dentre todos para ser Pastor do Povo de Deus deve, antes de tudo, confiar em Deus”, destacando que, certamente, Dom Lauro confia naquilo que Deus pode fazer através do seu ministério. Ainda, ressaltando sobre a missão do Pastor, Dom Airton afirmou que os bispos têm como responsabilidade anunciar a Palavra de Deus, governar através do seu exemplo e santificar o Povo de Deus por meio da vida de oração, dos sacramentos e pelo testemunho vivo de amor com aqueles que mais sofrem. Em seguida, deu-se continuidade ao rito de ordenação.

Emocionado, ao final da celebração, Dom Lauro dirigiu aos presentes uma mensagem de agradecimento, recordando a todos aqueles com quem conviveu ao longo dos seus 26 anos de sacerdócio e que passaram por toda sua trajetória até o episcopado.

“Estou enviado em missão para servir à Igreja, que está em Colatina (ES), em nome do Senhor. […] Só ocorrem-me as palavras de São Paulo: ‘tudo posso naquele que me dá força’. Confiando na graça de Deus, parto para a missão assumindo a postura de escuta do Espírito Santo, da Palavra de Deus e das pessoas e comunidades na Igreja e na sociedade com atenção aos sinais dos tempos para o discernimento de uma a Igreja Sinodal”, enfatizou o novo bispo do Brasil.

Alegria e esperança

Além de amigos, familiares, colegas do episcopado, religiosos, religiosas e fiéis leigos e leigas, estiveram também presentes na ordenação integrantes dos Cleros de Mariana e Colatina.

Devido às restrições por causa da pandemia, a participação presencial foi restrita e telões foram posicionados no adro da Igreja Matriz para que os fiéis pudessem acompanhar a celebração. Ainda, houve a transmissão pelas redes sociais da Arquidiocese de Mariana.

Para a Coordenadora da Dimensão Litúrgica da Paróquia de Nossa Senhora do Rosário de Fátima, Sônia Barbosa, um misto de emoções perpassaram em seu coração com o momento. “Uma alegria e uma gratidão imensas vê esse coroamento da missão dele que desde o início [demonstrou] essa sua identificação como pastor, como profeta e como amigo do povo. Ao mesmo tempo, uma tristeza por ele estar indo para outra Diocese e saindo da nossa paróquia”, afirmou enfatizando que a Igreja do Brasil ganha muito com isso.

Dom Lauro com os padres do Clero de Colatina

Segundo o padre do Clero de Colatina, Luismar Passarelli, participar desse momento foi de uma alegria muito grande, de amor e de acreditar que a Igreja continua firme e viva na dimensão da humanidade. “Para nós, um motivo de alegria e esperança na certeza que estamos caminhando com Jesus Cristo, Senhor da vida, Senhor da história”, disse o sacerdote pontuando que há uma movimentação bonita e com o envolvimento de todas as forças vivas da Diocese de Colatina para a acolhida do novo bispo no próximo dia 02 de fevereiro.

“O sentimento é de grande alegria de perceber mais um irmão da Arquidiocese de Mariana que vive essa experiência agora da plenitude do sacerdócio como bispo. Continuamos unidos na prece, na oração e na amizade. Peço a Deus que Dom Lauro seja feliz nessa missão de apascentar o Povo de Deus na Diocese de Colatina”, descreveu sobre o momento Dom Valter Magno que no último dia 23 de janeiro comemorou o seu primeiro ano como bispo.

Da esquerda para direita: Dom José Eudes, Dom Geovane, Dom Geraldo, Dom Airton, Dom Frei Dario, Dom Lauro e Dom Valter Magno

Acesse mais fotos da Ordenação AQUI

Monsenhor Lauro apresenta seu brasão e lema episcopal

O Monsenhor Lauro Sérgio Versiani Barbosa, Bispo Eleito da Diocese de Colatina (ES), apresentou nesta segunda-feira, 29 de novembro, o brasão de seu episcopado. Já o lema escolhido por ele foi “Charitas Christi Urget”, do latim, que significa “O amor de Cristo nos impele”.
Para a criação do brasão, Monsenhor Lauro contou com a ajuda dos heraldistas padre Patriky Samuel Batista e Camilo Alves Luís. Confira a  seguir a explicação de cada elemento:

“O amor de Cristo nos impele.” (2 Cor 5,14)

O chamado à plenitude do ministério ordenado exige uma fiel resposta de amor. Como São Pedro, o bispo é enviado a pastorear no amor (Jo 21,17). Este amor, como afirma o Apóstolo Paulo, nos impele a servir doando generosamente a vida em favor dos irmãos e irmãs. A centralidade deste amor está no mistério da cruz, pois nela “Cristo morreu por todos para que os que vivem já não vivam para si mesmos, mas para aquele que por eles morreu e ressuscitou” (2 Cor 5,15). A vida ganha nova luz quando é doada e, por essa razão, capaz de iluminar o mundo (Mt 5,13). Como afirma o Decreto Christus Dominus sobre o múnus pastoral dos Bispos na Igreja, o Bispo deve estar “preparado para toda a boa obra” (2 Tm 2,21), “suportando tudo por amor dos eleitos” (2 Tm 2,10), orientando sua vida de maneira que ela corresponda às necessidades dos tempos. (CD 16) Como exorta o Papa Francisco, “Bem-aventurado o Bispo que trabalha pela paz, que acompanha os caminhos da reconciliação, que semeia no seio do presbitério a semente da comunhão, que acompanha uma sociedade dividida no caminho da reconciliação, que leva todo homem e mulher de boa vontade pela mão para construir a fraternidade: Deus o reconhecerá como seu filho.” Assim, o bispo é chamado a promover o ministério da reconciliação, do amor e da comunhão na Igreja particular.

O BRASÃO EPISCOPAL SINALIZA ESTE DESEJO:

1) O Sol com a cruz grega cravada ao centro revela a centralidade daquele que é a Luz do mundo (Jo 8,12), que se entregou por amor na cruz (Jo 19,30) e que iluminou e transformou a vida de Paulo no caminho de Damasco (At 9,3). É daqui que tudo parte e para onde tudo se orienta na vida do bispo: o luminoso amor que se deu até a morte na cruz e que, ressuscitado, nos impele a fazer o mesmo. Doar a vida por inteiro no serviço do Evangelho.

2) À esquerda, abaixo do sol, a flor de liz. Convicto da intercessão e proteção da Virgem Maria, a Senhora da Conceição, serva fiel, o bispo confia a ela o seu ministério e a vida de sua Igreja Particular. Ela, que é a Rainha dos Apóstolos e a Mãe da Igreja, é também modelo de discípula atenta à Palavra de Deus. Como recorda a Pastores Gregis: “o Bispo encontrará na santa Mãe de Deus uma mestra na escuta e cumprimento solícito da Palavra de Deus, no discipulado fiel ao único Mestre, na firmeza da fé, na esperança jubilosa e na ardente caridade”.

3) À direita, ao lado da flor de liz, a palavra de Deus perpassada pela espada. Evoca o Apóstolo Paulo, grande missionário e construtor de comunidades eclesiais. Na força da Palavra e no testemunho de vida, o bispo jamais poderá abandonar a pregação da Palavra de Deus (At 6,2). É por meio dela que ele é chamado por Deus a confirmar os irmãos na fé.

4) Abaixo, as montanhas em ouro evocam as origens do bispo: Ouro Preto-MG, cidade pertencente à Arquidiocese de Mariana, a primaz do Estado de Minas Gerais.

5) O chapéu e as franjas são símbolos da dignidade episcopal entendida como serviço à comunidade diocesana, da qual o bispo é pastor. Lembra Jesus Cristo, cabeça da Igreja, seus 12 apóstolos, a sucessão e a colegialidade dos bispos com o Papa.

6) Concluído o escudo temos o lema do bispo: o modo com o qual ele deseja servir a Cristo por meio do ministério que lhe é confiado.

Ordenação episcopal

Nomeado pelo Papa Francisco em 27 de outubro, a ordenação episcopal do Monsenhor Lauro será no dia 25 de janeiro de 2022, às 10h, na Igreja Matriz de Nossa Senhora do Rosário de Fátima, em Viçosa (MG). Devido às medidas de prevenção à Covid-19, a participação presencial será restrita. Os fiéis poderão acompanhar através do canal do YouTube da Arquidiocese de Mariana.

Texto: Pe. Patriky Samuel Batista e Camilo Alves Luís

Divulgada a data da ordenação episcopal do Monsenhor Lauro

Foto: Pascom da Paróquia de Nossa Senhora do Rosário de Fátima

A ordenação episcopal do Monsenhor Lauro Sérgio Versiani Barbosa já tem data marcada. Nomeado pelo Papa Francisco na última quarta-feira, 27 de outubro, Monsenhor Lauro será ordenado no dia 25 de janeiro de 2022, às 10h, na Igreja Matriz de Nossa Senhora do Rosário de Fátima, em Viçosa (MG).

A data foi escolhida por ser o dia em que a Igreja celebra a festa litúrgica da conversão de São Paulo. Por sua vez, a escolha do local de dá ao fato de ser a última paróquia que o sacerdote atuou como pároco, tendo completado em julho deste ano sete anos à frente da Paróquia de Nossa Senhora do Rosário de Fátima.

Já a data da sua posse canônica em Colatina, segundo informações do site da Diocese de Colatina, será definida pelo Colégio de Consultores na próxima segunda-feira, 01 de novembro.

No dia de sua nomeação, Monsenhor Lauro enviou uma mensagem de saudação às Igrejas Particulares de Mariana e Colatina. Confira:

 

Fonte: Arquidiocese de Mariana

Missa marca nomeação de Monsenhor Lauro como bispo eleito para a Diocese de Colatina

Na manhã desta quarta-feira, 27 de setembro, a Arquidiocese de Mariana acolheu com alegria a notícia da nomeação, pelo Papa Francisco, do Monsenhor Lauro Sérgio Versiani Barbosa para a Diocese de Colatina (ES).

Para marcar a data, foi presidida pelo Arcebispo Metropolitano de Mariana, Dom Airton José dos Santos, às 7h, horário em que foi publicada a nomeação pelo jornal “L’Osservatore Romano”, a Santa Missa na Igreja Matriz de Nossa Senhora do Rosário de Fátima. “A Arquidiocese de Mariana, nestes últimos oito anos, já deu à Igreja, agora com Monsenhor Lauro, cinco bispos”, lembrou Dom Airton após ler a carta do Núncio Apostólico Brasileiro, Dom Giambattista Diquattro. Além do Monsenhor Lauro, concelebraram a celebração os padres Paulo Nobre e Wenderson José da Silva e os diáconos Bruno Gomes, Délio Duarte e Wagner Balbino.

O momento foi marcado de muita emoção pelos fiéis que participavam da Santa Missa e que acompanharam pelas redes sociais da Arquidiocese de Mariana e da paróquia. “A comunidade de fé da Paróquia de Nossa Senhora do Rosário de Fátima recebeu com muita alegria e gratidão a nomeação do, agora, Monsenhor Lauro, como bispo eleito da Diocese de Colatina. Assim que a carta foi lida por Dom Airton a emoção e as lágrimas não foram contidas tanto pelo Monsenhor Lauro, quanto por todos os leigos e leigas presentes. Hoje, os paroquianos de Fátima estão em festa e comungam dessa alegria imensurável”, disse o paroquiano e agente da Pastoral da Comunicação,  Ailton Adriano.

“Gratidão é o sentimento que, com certeza, transborda nos corações dos seus paroquianos da Paróquia de Nossa Senhora do Rosário de Fátima, de todos e todas da Arquidiocese de Mariana e de todo povo de Deus. Gratidão a Deus pela vida, pelo testemunho, pela generosidade, bondade e missão do Monsenhor Lauro. Gratidão por sermos, pela nossa fé e pelo batismo, povo de Deus, seguidores de Jesus, que nos faz sermos irmãos e irmãs. Deus seja louvado! Rezamos pela nova missão do Monsenhor Lauro, por todos da Diocese de Colatina. Que o Espírito Santo os ilumine e os conduza a buscar, com coragem e ousadia, sempre mais a fraternidade, a justiça e o amor. Que o senhor, Monsenhor Lauro, possa continuar sendo profeta que constrói a igreja na paixão do pobre, na paz, na solidariedade e com o sonho de esperança”, expressou a paroquiana Sônia Leite.

À ocasião, foi realizada também a bênção do mosaico de Nossa Senhora da Guadalupe, na Igreja Matriz. Após a bênção final, Monsenhor Lauro recebeu os cumprimentos dos presentes e a visita do seu amigo Dom Walter Jorge Pinto, Bispo da Diocese de União da Vitória (PR).

Com a colaboração de Sônia Leite e Ailton Adriano

Fotos: Ailton Adriano/Pascom

Papa Francisco nomeia Cônego Lauro como Bispo da Diocese de Colatina

A Arquidiocese de Mariana acolhe com alegria a nomeação nesta quarta-feira, 27 de outubro, do Cônego Lauro Sérgio Versiani Barbosa como Bispo da Diocese de Colatina, no Espírito Santo. Ele irá assumir a diocese capixaba vacante desde a nomeação de dom Wladimir Lopes Dias para a Diocese de Lorena (SP), em janeiro deste ano. A Presidência da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) enviou saudação ao novo membro do episcopado brasileiro. 

A comunicação oficial à Arquidiocese de Mariana foi feita pelo Núncio Apostólico Brasileiro, Dom Giambattista Diquattro, em 04 de outubro, em correspondência enviada ao Arcebispo Metropolitano de Mariana, Dom Airton José dos Santos.

 

Informações biográficas 

Natural de Ouro Preto (MG), padre Lauro Sérgio nasceu em 29 de abril de 1959, filho de Almir Barbosa e Maria do Carmo Versiani Barbosa. Foi ordenado presbítero da arquidiocese de Mariana no dia 2 de setembro de 1995.  

É licenciado em História e bacharel em Filosofia pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). O bacharelado em Teologia foi cursado no Centro de Estudos Superiores da Companhia de Jesus no Brasil, em Belo Horizonte (MG). Cônego Lauro é mestre em Teologia Dogmática pela Pontifícia Universidade Gregoriana de Roma. 

Entre a década de 1980 e o início da década de 1990, foi pesquisador do Instituto de Artes e Cultura da Universidade Federal de Ouro Preto (IAC/UFOP) e atuou como coordenador do Núcleo de Ação Cultural do IAC/UFOP.  

A partir de 1994 inicia uma trajetória de serviços no Seminário São José de Mariana. Cônego Lauro Sérgio integrou a equipe de formadores do Seminário arquidiocesano por dez anos. No período, foi professor de Filosofia e Teologia, diretor de estudos do Instituto de Teologia e reitor. De 2005 a 2014, foi diretor da Escola Diaconal São Lourenço. 

Seu currículo ainda contém atividades como vigário paroquial da paróquia do Sagrado Coração de Jesus, em Mariana; assessor do Conselho de Leigos da arquidiocese de Mariana; presidente da Organização de Seminários e Institutos do Brasil (OSIB) no Regional Leste 2 da CNBB (2007 a 2011); assessor da Pastoral Familiar na Região Pastoral Mariana Leste; vigário episcopal; diretor executivo da Fundarq e pároco.  

O novo bispo também integrou diversos Conselhos da arquidiocese de Marina, entre 2006 e 2019: Colégio de Consultores, Conselho Presbiteral, Conselho Arquidiocesano de Pastoral, Conselho Administrativo e Econômico, Conselho Curador da Fundação Marianense de Educação e Conselho Diretor Da Fundação Cultural e Educacional da Arquidiocese De Mariana (Fundarq). 

Cônego Lauro é membro fundador, editorialista, articulista de jornais e revistas. Publicou o livro “Memórias de Ouro Preto” e colaborou na publicação da Academia Ouro-Pretana de Letras “A Família Ouro-Pretana”. 

No processo de elaboração e redação das atuais Diretrizes Gerais da Ação Evangelizadora da Igreja no Brasil (DGAE 2019 – 2023), padre Lauro integrou a Comissão de Assessores da CNBB.  

  

Saudação da CNBB ao Cônego Lauro Sérgio Versiani Barbosa

 

Estimado Cônego Lauro Sérgio Versiani Barbosa,

A Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) congratula-se com a sua nomeação para a diocese de Colatina, no Estado do Espírito Santo. Junto com a porção do povo de Deus que lhe será confiada, o acolhemos, e oferecemos votos de uma frutuosa missão. 

Vislumbramos um profícuo ministério no episcopado ao ver sua atuação como presbítero na Arquidiocese de Mariana. Sua larga experiência como colaborador das primeiras horas aos arcebispos e na formação dos seminaristas nos indicam sinais de comunhão e compromisso eclesial. Já a função de postulador da causa de beatificação de nosso irmão e ex-presidente Dom Luciano Mendes de Almeida, para além da convivência que teve com ele, revela uma privilegiada fonte de inspiração para um ministério episcopal encarnado como serviço de evangelização e compromisso com os mais pobres.

Compartilhamos uma prece do Papa Francisco na ordenação episcopal por ele presidida nas últimas semanas: “Que o Senhor os faça crescer neste caminho da proximidade, assim imitarão melhor o Senhor, porque Ele sempre esteve próximo a nós e, com a sua proximidade que é de compaixão e de ternura, nos leva avante”.

Nossa Senhora Saúde, padroeira da Diocese de Colatina, interceda, proteja e acompanhe essa nova jornada em sua missão. 

Em Cristo,

Dom Walmor Oliveira de Azevedo
Arcebispo de Belo Horizonte (MG)
Presidente da CNBB

Dom Jaime Spengler
Arcebispo de Porto Alegre (RS)
Primeiro Vice-Presidente da CNBB

Dom Mário Antônio da Silva
Bispo de Roraima (RR)
Segundo Vice-Presidente da CNBB

Dom Joel Portella Amado
Bispo auxiliar da arquidiocese de São Sebastião do Rio de Janeiro (RJ)
Secretário-geral da CNBB

 

Acompanhe a celebração presidida por Dom Airton na Paróquia de Nossa Senhora do Rosário de Fátima sobre o anúncio:

 

Texto e imagens: CNBB

PAPA FRANCISCO NOMEIA CÔNEGO LAURO SÉRGIO VERSIANI BARBOSA COMO NOVO BISPO DE COLATINA (ES)

O Papa Francisco nomeou, nesta quarta-feira, 27 de outubro, o novo bispo diocesano de Colatina (ES). Cônego Lauro Sérgio Versiani Barbosa, da arquidiocese de Mariana (MG) irá assumir a diocese capixaba vacante desde a nomeação de dom Wladimir Lopes Dias para a diocese de Lorena (SP), em janeiro deste ano. A Presidência da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) enviou saudação ao novo membro do episcopado brasileiro. 

Cônego Lauro Sérgio é, atualmente, pároco da Paróquia Nossa Senhora do Rosário de Fátima, em Viçosa (MG), na arquidiocese de Mariana. Ele exerceu, desde 2017, a função de diretor executivo da Fundação Cultural e Educacional da arquidiocese de Mariana (Fundarq).  

Informações biográficas 

Natural de Ouro Preto (MG), padre Lauro Sérgio nasceu em 29 de abril de 1959, filho de Almir Barbosa e Maria do Carmo Versiani Barbosa. Foi ordenado presbítero da arquidiocese de Mariana no dia 2 de setembro de 1995.  

É licenciado em História e bacharel em Filosofia pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). O bacharelado em Teologia foi cursado no Centro de Estudos Superiores da Companhia de Jesus no Brasil, em Belo Horizonte (MG). Cônego Lauro é mestre em Teologia Dogmática pela Pontifícia Universidade Gregoriana de Roma. 

Entre a década de 1980 e o início da década de 1990, foi pesquisador do Instituto de Artes e Cultura da Universidade Federal de Ouro Preto (IAC/UFOP) e atuou como coordenador do Núcleo de Ação Cultural do IAC/UFOP.  

A partir de 1994 inicia uma trajetória de serviços no Seminário São José de Mariana. Cônego Lauro Sérgio integrou a equipe de formadores do Seminário arquidiocesano por dez anos. No período, foi professor de Filosofia e Teologia, diretor de estudos do Instituto de Teologia e reitor. De 2005 a 2014, foi diretor da Escola Diaconal São Lourenço. 

Seu currículo ainda contém atividades como vigário paroquial da paróquia do Sagrado Coração de Jesus, em Mariana; assessor do Conselho de Leigos da arquidiocese de Mariana; presidente da Organização de Seminários e Institutos do Brasil (OSIB) no Regional Leste 2 da CNBB (2007 a 2011); assessor da Pastoral Familiar na Região Pastoral Mariana Leste; vigário episcopal; diretor executivo da Fundarq e pároco.  

O novo bispo também integrou diversos Conselhos da arquidiocese de Marina, entre 2006 e 2019: Colégio de Consultores, Conselho Presbiteral, Conselho Arquidiocesano de Pastoral, Conselho Administrativo e Econômico, Conselho Curador da Fundação Marianense de Educação e Conselho Diretor Da Fundação Cultural e Educacional da Arquidiocese De Mariana (Fundarq). 

Cônego Lauro é membro fundador, editorialista, articulista de jornais e revistas. Publicou o livro “Memórias de Ouro Preto” e colaborou na publicação da Academia Ouro-Pretana de Letras “A Família Ouro-Pretana”. 

No processo de elaboração e redação das atuais Diretrizes Gerais da Ação Evangelizadora da Igreja no Brasil (DGAE 2019 – 2023), padre Lauro integrou a Comissão de Assessores da CNBB.  

  

Saudação da CNBB ao Cônego Lauro Sérgio Versiani Barbosa 

 

Estimado Cônego Lauro Sérgio Versiani Barbosa, 

A Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) congratula-se com a sua nomeação para a diocese de Colatina, no Estado do Espírito Santo. Junto com a porção do povo de Deus que lhe será confiada, o acolhemos, e oferecemos votos de uma frutuosa missão.  

Vislumbramos um profícuo ministério no episcopado ao ver sua atuação como presbítero na Arquidiocese de Mariana. Sua larga experiência como colaborador das primeiras horas aos arcebispos e na formação dos seminaristas nos indicam sinais de comunhão e compromisso eclesial. Já a função de postulador da causa de beatificação de nosso irmão e ex-presidente Dom Luciano Mendes de Almeida, para além da convivência que teve com ele, revela uma privilegiada fonte de inspiração para um ministério episcopal encarnado como serviço de evangelização e compromisso com os mais pobres. 

Compartilhamos uma prece do Papa Francisco na ordenação episcopal por ele presidida nas últimas semanas: “Que o Senhor os faça crescer neste caminho da proximidade, assim imitarão melhor o Senhor, porque Ele sempre esteve próximo a nós e, com a sua proximidade que é de compaixão e de ternura, nos leva avante”. 

Nossa Senhora Saúde, padroeira da Diocese de Colatina, interceda, proteja e acompanhe essa nova jornada em sua missão.  

Em Cristo,   

Dom Walmor Oliveira de Azevedo
Arcebispo de Belo Horizonte (MG)
Presidente da CNBB 

Dom Jaime Spengler
Arcebispo de Porto Alegre (RS)
Primeiro Vice-Presidente da CNBB 

Dom Mário Antônio da Silva
Bispo de Roraima (RR)
Segundo Vice-Presidente da CNBB 

Dom Joel Portella Amado
Bispo auxiliar da arquidiocese de São Sebastião do Rio de Janeiro (RJ)
Secretário-geral d

CNBB DIVULGA MENSAGEM AO POVO BRASILEIRO APROVADA PELOS BISPOS REUNIDOS EM ASSEMBLEIA

A Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) divulga nesta sexta-feira, 16 de abril, a mensagem do episcopado brasileiro que reunido, de modo online, na 58ª Assembleia Geral da CNBB, se dirigiu ao povo neste grave momento.

No texto, os bispos afirmam que diante da atual situação pela qual passa o Brasil, sobretudo em tempos de pandemia, não podem se calar quando a vida é “ameaçada, os direitos desrespeitados, a justiça corrompida e a violência instaurada”. Os bispos asseguram que são pastores e que têm a missão de cuidar. “Nosso coração sofre com a restrita participação do Povo de Deus nos templos. Contudo, a sacralidade da vida humana exige de nós sensatez e responsabilidade”, dizem.

Na mensagem, os bispos reiteram que no atual momento precisam continuar a observar as medidas sanitárias que dizem respeito às celebrações presenciais. Reconhecem agradecidos que as famílias têm sido espaço privilegiado da vivência da fé e da solidariedade. “Elas têm encontrado nas iniciativas de nossas comunidades, através de subsídios e celebrações online, a possibilidade de vivenciarem intensamente a Igreja doméstica. Unidos na oração e no cuidado pela vida, superaremos esse momento”.

Os bispos afirmam que os três poderes da República têm, cada um na sua especificidade, a missão de conduzir o Brasil nos ditames da Constituição Federal, que preconiza a saúde como “direito de todos e dever do Estado” e que o momento exige competência e lucidez. “São inaceitáveis discursos e atitudes que negam a realidade da pandemia, desprezam as medidas sanitárias e ameaçam o Estado Democrático de Direito”, afirmam.

Fazem, ainda, um forte apelo à unidade das Igrejas, entidades, movimentos sociais e todas as pessoas de boa vontade, em torno do Pacto pela Vida e pelo Brasil: “Assumamos, com renovado compromisso, iniciativas concretas para a promoção da solidariedade e da partilha. A travessia rumo a um novo tempo é desafiadora, contudo, temos a oportunidade privilegiada de reconstrução da sociedade brasileira sobre os alicerces da justiça e da paz, trilhando o caminho da fraternidade e do diálogo. Como nos animou o Papa Francisco: “o anúncio Pascal é um anúncio que renova a esperança nos nossos corações: não podemos dar-nos por vencidos!”.

Confira o texto na íntegra:

MENSAGEM DA 58ª ASSEMBLEIA GERAL DA CNBB AO POVO BRASILEIRO

Esperamos novos céus e uma nova terra, onde habitará a justiça. (2Pd 3,13)

 

Movidos pela esperança que brota do Evangelho, nós, Bispos do Brasil, reunidos, de modo online, na 58ª Assembleia Geral da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil-CNBB, de 12 a 16 de abril de 2021, neste grave momento, dirigimos nossa mensagem ao povo brasileiro.

Expressamos a nossa oração e a nossa solidariedade aos enfermos, às famílias que perderam seus entes queridos e a todos os que mais sofrem as consequências da Covid-19. Na certeza da Ressurreição, trazemos em nossas preces, particularmente, os falecidos. Ao mesmo tempo, manifestamos a nossa profunda gratidão aos profissionais de saúde e a todas as pessoas que têm doado a sua vida em favor dos doentes, prestado serviços essenciais e contribuído para enfrentar a pandemia.

O Brasil experimenta o aprofundamento de uma grave crise sanitária, econômica, ética, social e política, intensificada pela pandemia, que nos desafia, expondo a desigualdade estrutural enraizada na sociedade brasileira. Embora todos sofram com a pandemia, suas consequências são mais devastadoras na vida dos pobres e fragilizados.

Essa realidade de sofrimento deve encontrar eco no coração dos discípulos de Cristo[1]. Tudo o que promove ou ameaça a vida diz respeito à nossa missão de cristãos. Sempre que assumimos posicionamentos em questões sociais, econômicas e políticas, nós o fazemos por exigência do Evangelho. Não podemos nos calar quando a vida é ameaçada, os direitos desrespeitados, a justiça corrompida e a violência instaurada[2].

Louvamos o testemunho de nossas comunidades na incansável e anônima busca por amenizar as consequências da pandemia. Muitos irmãos e irmãs, bispos, padres, diáconos, religiosos, religiosas, cristãos leigos e leigas, movidos pelo autêntico espírito cristão, expõem suas vidas no socorro aos mais vulneráveis. Com o Papa Francisco, afirmamos que “são inseparáveis a oração a Deus e a solidariedade com os pobres e os enfermos”[3]. As iniciativas comunitárias de partilha e solidariedade devem ser sempre mais incentivadas. É Tempo de Cuidar!

Somos pastores e nossa missão é cuidar. Nosso coração sofre com a restrita participação do Povo de Deus nos templos. Contudo, a sacralidade da vida humana exige de nós sensatez e responsabilidade. Por isso, nesse momento, precisamos continuar a observar as medidas sanitárias que dizem respeito às celebrações presenciais. Reconhecemos agradecidos que nossas famílias têm sido espaço privilegiado da vivência da fé e da solidariedade. Elas têm encontrado nas iniciativas de nossas comunidades, através de subsídios e celebrações online, a possibilidade de vivenciarem intensamente a Igreja doméstica. Unidos na oração e no cuidado pela vida, superaremos esse momento.

Na sociedade civil, os três poderes da República têm, cada um na sua especificidade, a missão de conduzir o Brasil nos ditames da Constituição Federal, que preconiza a saúde como “direito de todos e dever do Estado”[4]. Isso exige competência e lucidez. São inaceitáveis discursos e atitudes que negam a realidade da pandemia, desprezam as medidas sanitárias e ameaçam o Estado Democrático de Direito. É necessária atenção à ciência, incentivar o uso de máscara, o distanciamento social e garantir a vacinação para todos, o mais breve possível. O auxílio emergencial, digno e pelo tempo que for necessário, é imprescindível para salvar vidas e dinamizar a economia[5], com especial atenção aos pobres e desempregados.

É preciso assegurar maiores investimentos em saúde pública e a devida assistência aos enfermos, preservando e fortalecendo o Sistema Único de Saúde – SUS. São inadmissíveis as tentativas sistemáticas de desmonte da estrutura de proteção social no país. Rejeitamos energicamente qualquer iniciativa que intente desobrigar os governantes da aplicação do mínimo constitucional do orçamento na saúde e na educação.

A educação, fragilizada há anos pela ausência de um eficiente projeto educativo nacional, sofre ainda mais no contexto da pandemia, com sérias consequências para o futuro do país. Além de eficazes políticas públicas de Estado, é fundamental o engajamento no Pacto Educativo Global, proposto pelo Papa Francisco[6].

Preocupa-nos também o grave problema das múltiplas formas de violência disseminada na sociedade, favorecida pelo fácil acesso às armas. A desinformação e o discurso de ódio, principalmente nas redes sociais, geram uma agressividade sem limites. Constatamos, com pesar, o uso da religião como instrumento de disputa política, justificando a violência e gerando confusão entres os fiéis e na sociedade.

Merece atenção constante o cuidado com a casa comum, submetida à lógica voraz da “exploração e degradação”[7]. É urgente compreender que um bioma preservado cumpre sua função produtiva de manutenção e geração da vida no planeta, respeitando-se o justo equilíbrio entre produção e preservação. A desertificação da terra nasce da desertificação do coração humano. Acreditamos que “a liberdade humana é capaz de limitar a técnica, orientá-la e colocá-la ao serviço de outro tipo de progresso, mais saudável, mais humano, mais social, mais integral”[8].

É cada vez mais necessário superar a desigualdade social no país. Para tanto, devemos promover a melhor política[9], que não se submete aos interesses econômicos, e seja pautada pela fraternidade e pela amizade social, que implica não só a aproximação entre grupos sociais distantes, mas também a busca de um renovado encontro com os setores mais pobres e vulneráveis[10].

Fazemos um forte apelo à unidade da sociedade civil, Igrejas, entidades, movimentos sociais e todas as pessoas de boa vontade, em torno do Pacto pela Vida e pelo Brasil. Assumamos, com renovado compromisso, iniciativas concretas para a promoção da solidariedade e da partilha. A travessia rumo a um novo tempo é desafiadora, contudo, temos a oportunidade privilegiada de reconstrução da sociedade brasileira sobre os alicerces da justiça e da paz, trilhando o caminho da fraternidade e do diálogo. Como nos animou o Papa Francisco: “o anúncio Pascal é um anúncio que renova a esperança nos nossos corações: não podemos dar-nos por vencidos!”[11]

Com a fé em Cristo Ressuscitado, fonte de nossa esperança, invocamos a benção de Deus sobre o povo brasileiro, pela intercessão de São José e de Nossa Senhora Aparecida, padroeira do Brasil.

Brasília, 16 de abril de 2021.

Dom Walmor Oliveira de Azevedo
Arcebispo de Belo Horizonte – MG
Presidente da CNBB

Dom Jaime Spengler, OFM
Arcebispo de Porto Alegre – RS
1º Vice-Presidente  

Dom Mário Antônio da Silva
Bispo de Roraima – RR
2º Vice-Presidente

Dom Joel Portella Amado
Bispo Auxiliar do Rio de Janeiro – RJ
Secretário-Geral da CNBB

 

[1] cf. Gaudium et Spes, 1.
[2] cf. CNBB, Mensagem ao Povo de Deus, 2018.
[3] Papa Francisco, Mensagem para o IV Dia Mundial dos Pobres, 2020.
[4] Constituição Federal, art. 196.
[5] cf. CNBB, OAB, C.Arn´s, ABI, ABC e SBPC, O povo não pode pagar com a própria vida,10 de março de 2021.
[6] cf. Papa Francisco, Mensagem para o lançamento do Pacto Educativo Global, 12 de setembro 2019.
[7] Papa Francisco, Laudato Si´, 145.
[8] Papa Francisco, Laudato Si´, 112.
[9] Papa Francisco, Fratelli Tutti, Cap. V.
[10] cf. Papa Francisco, Fratelli Tutti, 233.
[11] Papa Francisco, Mensagem 58ª. AG CNBB.

 

 

Fonte: CNBB